7ª. Redondilha

 

As Pegadas dos Avós

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Escolha aleatoriamente um número entre 927 e  1141 inclusive.

 

Descubra o poema correspondente como uma mensagem particular para o seu dia de hoje.

 

 

 

 

 

 

 

 

927

 

7ª. Redondilha

 

As pegadas dos avós

Nos enlaçam a aliança

Entre o que detrás se alcança

E o que alcança a nossa voz.

 

Do grande rio na foz,

Ancestrais passos de dança

Dançamos e não nos cansa

Quanto o amor talha de nós.

 

Canto os laços que, enlaçados

Desde o mais fundo das eras,

Passo a passo aqui chegaram

 

Mais a paixão que, enlevados,

Daqui nos lança às esferas

Onde os deuses por nós aram.

 

 

       928                                                                       929                 

 

      Não                                                                     Falas

 

Não posso cantar de amor,                              É de amor que falas

Que cantar de amor um dia                              E eu jamais te imito:

É cantar que cantaria                                        - Como abrir em alas

O fogo onde há só calor.                                  Plagas do infinito?

 

 

       930                                                                       931

 

  Quimera                                                               Silêncio

 

Como falar-te de amor                                      Falaste e um grande silêncio

Se me esqueci de quem era                            Entre nós cava a voragem.

E o que somos vem-se opor                            Dentre ela este abismo vence-o

Ao eterno desta quimera?                                Só o tamanho da mensagem.

 

 

       932                                                                       933

 

    Lições                                                            Genealógica

 

A vida só nos carece                                        Quem quer um lugar ao sol,

De algumas lições discretas:                           Previsão meteorológica,

- Quando o amor nos acontece                       Não busca à sombra o crisol

Viramos todos poetas.                                     Duma árvore genealógica.

 

 

       934                                                                       935

 

    Famíl                                                              Tempestade

 

Rostos de tua família,                                        Na natureza o trovão

Mágico espelho das eras                                 Explode com tempo quente;

Em permanente vigília:                                     No lar é o gelo, o nevão

Diz quem és e o que veneras.                         Que é tempestade eminente.

 

 

       936                                                                       937

 

    Valhas                                                                Relação

 

Um bom casamento                                          Quando a relação de afecto

Requer que lhe valhas:                                      Entre vós melhora mais

Mais que linimento                                            Logo o corpo oferta um tecto:

Quer novas vitualhas.                                        No sexo vos ateais.

 

 

       938                                                                       939

 

      Neve                                                                    Fogo

 

O cabelo branqueado                                       Só por si o amor não chega.

Não me deu nunca canseira:                           O amor é fundamental

Quando há neve no telhado                              Mas, prò fogo em que navega,

É que há lume na lareira.                                  Ter companhia é vital.

 

 

       940                                                                       941

 

  Nobreza                                                              Condição

 

É sobretudo importante                                    Vou jogando a História inteira,

Ter uma nobre ascendência                            Mais e mais senhor de mim,

A quem, pela vida adiante,                               Sem ver que eu, na brincadeira,

Nada fez de referência.                                    É que sou jogado ao fim.

 

 

       942                                                                       943

 

 Paciência                                                              Gradual

 

É um treino de paciência                                  Via da educação mútua

Na bicha aprender a andar.                             Não é ralhar, por sinal:

É a mais antiga ciência:                                   A sabedoria reputo-a

- Nasci nela e já a gritar!                                   De saber ser gradual.

 

 

       944                                                                       945

 

Progenitura                                                              Mãe

 

Nossos pais mataram francos,                        Como é que Deus tem valor,

Nossas mães foram forneiras.                         Se três num não há nenhum?

Entre espadas e tamancos                              - Poesia, Mãe e amor,

Ando a arrotear sementeiras.                          Sendo três, é tudo um!

 

       946                                                                       947

 

   Familiar                                                            Casamento

 

O meio familiar                                                  Desde sempre o casamento

É que murcha o esquizofrénico:                      É apenas trivialidade;

A vivência ao lhe acusar,                                  Porque tal é o fundamento

Serve-lhe o copo de arsénico.                         Lhe sagram a realidade.

 

 

       948                                                                       949

 

 Arranjado                                                                Asas

 

A mulher e o marido,                                         Em quase todas as casas

Num casamento arranjado,                              Habita a infelicidade,

Entre si tudo entendido,                                    Por isso ninguém tem asas

Nada têm que seja amado.                              P'ra voar p'la infinidade.

 

 

       950                                                                       951

 

 Flagrante                                                          Casamentos

 

Caso co'um apartamento                                 Os casamentos bem sucedidos,

Ou uma casa de campo?                                 Por trás da perene união

- É em flagrante que o momento                     Guardam mistérios escondidos:

Me pega onde quer que acampo.                   - São sociedades de mútua admiração!

 

 

       952                                                                       953

 

       Ver                                                                  Inocência

 

Quanto aprendia de vós,                                  Cora a inocência ao entender

De ouvir-vos contar e ler!                                  O piropo que disseste.

E quão parca é a vossa voz                             Rir, porém, sem compreender

Ante o nada do meu ver!                                  Mais inocência reveste.

 

 

       954                                                                       955

 

  Suspeito                                                                Vinha

 

Todo o homem é um suspeito                         O meu amor tem gavinhas,

Pelo facto de existir,                                          Cachos de uvas sumarentos.

Que existir é pôr-te ao peito                             Vindimar as minhas vinhas,

O punhal de decidir.                                          Que prisões e que tormentos!

 

 

       956                                                                       957

 

Trepadeira                                                            Amizade

 

No meio da sala um vaso,                                Para a amizade não há

No vaso uma trepadeira.                                  Como o modo que a concebe:

Porque com ela me caso                                 Ignorar o que se dá,

Nela trepo a vida inteira.                                   Lembrar o que se recebe.

 

 

       958                                                                       959

 

  Respeito                                                                 Tipo

 

Toda a amizade é respeito,                             Faz as amizades certas,

Respeito p'las diferenças,                                Amigos de todo o tipo.

P'los sonhos que levo a peito,                         Se em teu nível os apertas

Mesmo pelas más sentenças.                         Nunca contigo me equipo.

 

 

       960                                                                       961

 

    Amigo                                                                 Alicerço

 

Ter amigos, de repente,                                   Alicerço uma amizade

Podem ser festas a esmo:                               Se aos outros dou bem-estar,

- Ter um amigo é um presente                         Se admiro a capacidade

Que eu me ofereço a mim mesmo.                 De cada amigo se dar.

 

 

       962                                                                       963

 

     Porta                                                                   Outros

 

Um amigo é confiança,                                     Eles, os outros e aqueles

Gosta de nós, que é que importa?                  Foram criados por nós:

Ouve-nos, faz aliança                                        A opinião pública a eles

Com quanto nos abre a porta.                         É o que ata ou desata os nós.

 

 

       964                                                                       965

 

   Outrem                                                               Fronteiras

 

P'ra nos proteger a nós                                    "Nós" e "eles" são fronteiras,

Falam do perigo deles,                                     Uns dos outros somos sombras,

Mas outrem que é tão feroz                              Para escapar às sangreiras

É aquilo com que o impeles.                            Só do humano nas alfombras.

 

 

       966                                                                           967

 

   Fortuna                                                          Bela Adormecida

 

Contas amigos aos montes                             Longe vai um emigrante,

Quando a fortuna perdura.                                Sonha a bela adormecida.

Nem sequer, porém, os contes                        Algema a saudade instante,

Se a sorte se torna dura!                                  Logo se lhe algema a vida.

 

 

        968

 

Crepúsculos

 

Ah, crepúsculos lentos em que aldeias morrem

Depois que regressaram aos pombais os pombos!

Moles dormem nos tempos que insensíveis correm,

Cegas às andorinhas deste mundo aos tombos...

 

969

 

Brado

 

Um amigo de verdade

É o que me atende ao meu brado

Quando, por sua vontade,

Estaria noutro lado.

 

 

       970                                                                       971

 

   Elogios                                                                   Dar

 

Um amigo apaga o fogo                                   Melhor receber que dar

Com que se incendeiam brios,                        Deita a amizade a perder.

Joga um agradável jogo:                                  P'ra a poder consolidar:

O intercâmbio de elogios.                                - Melhor dar que receber!

 

 

       972                                                                       973

 

  Saudade                                                                 Vida

 

Tenho saudades de ti,                                      Mulher perdida não é

Magia aos pés te deponho...                           A mulher da minha vida,

Saudades do que vivi?                                     A minha vida é que é

- Tenho é saudade do sonho!                          Sempre uma mulher perdida.

 

 

       974                                                                       975

 

   Condão                                                             Ausência

 

A varinha de condão                                         Magoa-me a tua ausência

Te tocou, secreta, um dia.                                No silêncio dos meus dias.

Logo o sol despontaria:                                    Isto é a minha dependência

- Teu rosto na escuridão!                                  Ou tu que em mim principias?

 

 

       976                                                                       977

   No Fim                                                                 Velhice

 

Um amor no fim da vida,                                   Velhice não é só idade,

Esperança ainda a brotar:                                São os sonhos que nos movem

Sendo já uma despedida,                                A perder velocidade:

Diz adeus mas quer ficar!                                - É o cansaço de ser jovem!

 

 

       978                                                                       979

 

     Velho                                                                  Filhos      

 

Primeiro era o bailarico,                                   Filhos são modo barato

Foi depois a festa a ir-se,                                De enganar a minha idade,

Nem com passeios eu fico...                            Neles compro ao desbarato

- Ficar velho é despedir-se!                             A sombra da eternidade.

 

 

       980                                                                       981

 

     Filho                                                                 Divindade

 

Ter um filho é decisão                                       P'ra qualquer mãe a verdade

Com indecisões envoltas:                                Se resume no estribilho:

É escolher meu coração                                   O filho é uma divindade,

Por fora do corpo às voltas.                             Divindade de ser filho.

 

 

       982                                                                       983

 

Engravidar                                                        Maternidade

 

Mulher que não engravida                                Será que um amor de mãe

Sofre porque algo morreu,                               Dura toda a eternidade

Não do que já teve vida                                    Ou dura sempre p'ra além

Mas do que nunca existiu.                                O amor da maternidade?

 

 

       984                                                                       985

 

  Cansado                                                             Apoiar-se

 

Ai, filho, que fatigado!                                       Mulher que, sob tensão,

Papas, fraldas, te entreter...                             Pelo seu marido apele,

- Quase a me surpreender                               Não tem preocupação:

Cansado de andar cansado!                           Busca só apoiar-se nele.

 

 

       986                                                                       987

 

  Atenções                                                            Nasceste

 

Quando uma esposa se mostra                      Este amor não era o teu,

Emotiva, está, de facto,                                    Nem esta energia, mãe:

A pedir a tua amostra                                       - Quando um filho te nasceu

De atenções do vosso pacto.                          Nasceste, afinal, também!

 

 

       988                                                                       989

 

      Avô                                                                  Papagaio

 

O brinquedo mais directo                                 Se te dei um papagaio

Com que cada qual brincou,                            Não foi p'ra ter alibi

Cheio dum sonho secreto,                               Mas p'ra fazer um ensaio

Foi sempre um querido avô.                            Co'a criança que há em ti.

 

 

       990                                                                       991

 

     Vento                                                             Descontraio                       

 

Os miúdos têm jeito                                          Apenas me descontraio

Prò fluir do pensamento                                    Com as crianças a sós:

Porque jogam a preceito                                  É que então de mim eu saio

Co'os dedos vários do vento.                          Co'a criança que há em nós.

 

 

       992                                                                       993

 

   Perfeito                                                             Meu Amor

 

Tudo nela é tão perfeito                                    Meu amor viu algo em mim

Que não me inspira confiança:                        Que jamais eu descobrira.

Nenhum manequim tem jeito                            Nunca eu ia até ao fim,

P'ra gerar uma criança.                                    Não fora o som desta lira.

 

 

       994                                                                       995

      Oculto                                                                 Confiar

 

Quando marido e mulher,                                 Quanto mais eu confiar

Um noutro o mistério oculto                              Numa relação que é bela

Conseguem reconhecer,                                  Mais sou livre p'ra mudar,

São deuses que prestam culto.                       Mudando por dentro dela.

 

 

       996                                                                       997

 

  Manipular                                                             Educar

 

Não me vens manipular,                                   Educar uma criança

Só formar-me no que eu valha...                      Não será prática boa,

- Mas a fronteira a encontrar,                           Que, em geral, o que hoje alcança

De tão fina, é uma navalha.                              É matar uma pessoa.

 

 

       998                                                                       999

 

    Tabus                                                              Sufocantes

 

Entre os tabus da família,                                 Há lares tão sufocantes

O mais ignoto, hoje em dia,                             Que, se alguém quer libertar-se,

É o que mais gera a quezília:                           Matá-lo preferem antes

Proibição da autonomia.                                  Que retirar o disfarce.

 

 

       1000                                                                     1001

 

      À Mão                                                                 Esvazia

 

Quanto mais um filho cresce                            Há muita mãe que esvazia

Mais quer ser independente.                           Do filho o íntimo em fumo

Tanto mais aos pais acresce                           E que depois se alivia

Querer tê-lo à mão e tente.                               Ralhando que não tem sumo.

 

 

       1002                                                                     1003

 

   Cuidado                                                                 Sinais

 

Ninguém de pai ou de mãe                              Ao falar na educação

Precisa a sério, afinal;                                      São de adultos os sinais.

O que sempre falta a alguém                           Mas quando é que passarão

É cuidado parental.                                           Crianças a educar pais?

 

 

       1004                                                                     1005

 

 Emprestado                                                           À Beira

 

O mundo, mais do que herdado                      Mesmo quando eu quero

Por nós todos de ancestrais,                           Outrem quer que eu queira;

É-nos antes emprestado                                  É o meu desespero:

Pelos filhos pròs demais.                                 Nunca moro à minha beira!

 

 

       1006                                                                     1007

 

      Grupo                                                                    Nós

 

Num grupo aos olhos dos mais                       O esquema das gerações

É o que nos fomos tornando:                           Nunca o pões perante nós

Grupo para nós jamais                                     Nem antes de nós o pões,

Temos sido desde quando?                            Que em nosso imo ele ata os nós.

 

 

       1008                                                                     1009

 

       Oco                                                                   Hierarquia

 

Doi-me a dor do que está oco:                        Concentrar nas qualidades

De passado me esvaziam,                              Que são demais importantes

E o presente dá-me o soco                              (Amor, sensibilidades...)

Dum futuro em que me enfiam.                        É o que cria os bons amantes.

 

 

       1010                                                                     1011

 

     Música                                                                   Dela

 

Quando te a música eu ouço                           Na boca dela a palavra

Com que tu tanto me irritas,                             É música arrepiante,

Lembro-me então que é do poço                    É glaciar que escalavra

De teu amor que me fitas.                                Gargantas p'la vida adiante.

 

 

       1012                                                                     1013

 

      Nome                                                                   Nadas

 

Ouço-te o nome e me fitas                               Nosso amor é construído

E um cântico me consome.                              E destruído também,

Como é que afinal habitas                               Não pelo que escapa ao olvido,

No violino do teu nome?                                   - P'lo que não vale um vintém.

 

 

       1014                                                                     1015

 

     Amável                                                                  Sinal

 

É porque ela é tão amável                               Quando almejas que te abrace,

Naquele jeito de corça                                      Te estreite forte em meus braços,

Que se torna inevitável                                      Dá-me um sinal desse enlace,

Quanto a imitá-la me esforça.                          Que em ti possa ler-lhe os traços.

 

 

       1016                                                                     1017

 

   Mudança                                                           Celebração    

 

Com o tempo tudo muda,                                 "Já não és com quem casei!"

Pessoas e relação.                                           - Lamentam outros, sabemos.

O que um ao outro nos gruda                           Mas p'ra nós mudar é lei,

É ir na mesma direcção.                                  Por isso, amor, celebremos!

 

 

       1018                                                                     1019

 

      Carga                                                                Atracção

 

É nosso amor uma carga                                 Ao correr pela auto-estrada,      

Pesada que nem se atreve!                             Ou, lento, no carro eléctrico,

Mas não é tarefa amarga:                                Atrai-me o abraço da amada,

- Damos as mãos e ela é leve!                        - É um íman que não é métrico.

 

       1020                                                                     1021

 

    Irrupção                                                             Adoração    

 

O coração vê no amor,                                     Devoto em adoração,

Faísca de claridade,                                         Como articular palavras

Não o instante do fulgor,                                   Se a Deus canto uma canção,

- A irrupção da eternidade!                              Mas és tu, mulher, que a lavras?

 

 

       1022                                                                     1023

 

    Coração                                                                Amor

 

Quando o espírito é apagado                          Dizem que é de amor humano

Pela luz do coração,                                          Raio com que te fulmino.

Louco dizem que é o coitado                           Mas como de ti dimano

Mas loucos é o que estes são.                        Teu olhar de amor divino?

 

 

       1024                                                                     1025

 

      Poder                                                                 Passeio

 

Se tens amor do poder,                                    Pela tua realidade

Ao poder dás o valor.                                        É que hoje irei passear,

Não vales o que valer                                        Nela perco a virgindade

Quem tem o poder do amor.                            E aqueço nela o meu lar.

 

 

       1026                                                                     1027

 

     Mulher                                                                 Abismo

 

"Mulheres? São todas vis!                               A mulher é um abismo,

Moeda falsa é o que nos trazem!"                   Tudo ali se engolfa e morre,

- Por que tanto as ressentis?!                          Vida e morte, o amor que cismo,

São como os homens as fazem...                   - E, após, dela a vida corre!

 

 

       1028                                                                     1029

 

      Durmo                                                              Presença

 

Durmo sem qualquer desdouro                       Mesmo o monge no deserto,

Juntinho à tua cabeça:                                      O eremita na montanha,

Das peças de prata e de ouro                         Sentem a mulher por perto:

Esta é a minha melhor peça.                           - Não há presença tamanha!

 

 

       1030                                                                     1031               

 

       Natal                                                                  Juntos

 

Para o teu Natal                                                 "O que é o Natal?" - Todos juntos

Um poema antigo                                              Perguntam os que o não sentem,

É o melhor sinal:                                                Sem sentir que estes conjuntos

- Sou o teu amigo!                                             São o Natal dos que não mentem.

 

 

       1032                                                                     1033

 

      Ódios                                                                Coração

 

De amores é a mais comum                            Se a poesia é coração

Cultura em nossos terrenos.                            E ao estômago não liga,

Dos ódios deles nenhum                                  Morre o amor pelo desvão

Também gera tais venenos.                             Que a sentá-lo à mesa obriga.

 

 

       1034                                                                     1035

 

     Poesia                                                              Linguagem

 

Há um rumo prò desalinho                               A linguagem comunica

Em pleno mundo ignorado:                              E cria o incomunicado:

Poesia é estar sozinho                                     É um resguardo e tal implica

Fundamente acompanhado.                            Protegido e separado.

 

 

       1036                                                                     1037

 

    Unidade                                                           Crescemos

 

Dum diálogo a unidade                                    Dos da nossa opinião

Consiste em que convergimos,                       O consolo recolhemos,

Concordes numa verdade,                               Mas junto dos que o não são

E é nesta então que existimos.                        É que em verdade crescemos.

 

 

       1038                                                                     1039

 

        Mel                                                                      Procura

 

Tenho meu favo de mel,                                    Sempre a música é um lavor

Doçura de corpo e de alma:                            Com que a vida tu te lavras:

É uma palavra sem fel,                                     A música é nosso amor

Amável, a dar-te calma.                                    À procura de palavras.

 

 

       1040                                                                     1041

 

      Erros                                                                     Dote

 

Os erros não são os ferros                               Para que um amor se adopte

Que alguém ferram de lunático:                       Custa sempre um dinheirão.

Sempre se perdoam erros                               Da mulher o melhor dote

A quenquer que for simpático.                         É o dote do coração.

 

 

       1042                                                                     1043

 

       Adão                                                                    Caça

 

Vem do profundo das eras                               A caça do caçador

Esta manhã friorenta:                                        Tem um saber instintivo.

Que Eva me aqueça deveras,                         Como é que só para o amor

Que Adão sou e ela me tenta!                         Sou mais cego quão mais vivo?

 

 

       1044                                                                     1045

 

Ambiguidade                                                        Diferença

 

Vi-te distante e te amei;                                    Consentimento ou desejo,

Presente, foi-se a magia;                                 Tão subtil é a diferença

Disputada, já nem sei,                                      Que na troca deste beijo

Tudo outra vez principia.                                   Vou do prazer à presença.

 

 

       1046                                                                     1047

 

      Troca                                                           Desconhecidas

 

Aquela a quem damos tudo                             Meninas desconhecidas,

É trocada tão depressa                                    Tocastes meu coração.

Que a mim mesmo desiludo                            Hoje morrem-lhe as batidas

Com tal porvir sem promessa.                         Em cada vosso aleijão.

 

 

       1048                                                                     1049

 

Papel Teatral                                                         Adultério

 

Moça que acaso adorei                                    O casamento é uma letra

É como um papel teatral:                                  Que muitas vezes é morta.

Decai a actriz, como é lei,                                No adultério é que se impetra

Troco-a e o papel é igual.                                 Que o espírito lhe abra a porta.

 

 

       1050                                                                     1051

 

   Esboços                                                                 Falar

 

Tantos amores perdidos,                                 Tanto te quero falar

Esboços abandonados,                                   Que me esqueço de te ver:

- Desejos já falecidos                                       Se te não sei encontrar

A crer nos ressuscitados.                                 É que em mim ando a correr.

 

 

       1052                                                                     1053

 

      Amor                                                                Em Redor

 

A alegria de quem ama                                    Explorando em meu redor

É de amar só pelo amor.                                  De teu mar esta parcela

Conquistar o amor conclama,                          Sou ínfima caravela

Porém, festa ainda maior.                                No infindo de teu amor.

 

 

       1054                                                                     1055

 

Vez Primeira                                                             Altar

 

Eu te vi a vez primeira                                       Há vinte anos uma jovem

E foras uma princesa.                                       Foi carne de meu olhar.

Onde é que, na derradeira,                              Hoje o que os olhos removem

Se escondeu tua beleza?                                 São ossadas desse altar.

 

 

       1056                                                                     1057

 

      Faces                                                               Encontro  

 

Duas faces tem o amor:                                   Em todo o primeiro encontro

A do agrado se me escapa;                            Morre sempre uma ilusão.

A sombria ao meu dispor                                 Que importa, se nele encontro

Se o cotio a luz lhe tapa.                                   P'ra cada sonho o meu pão?

 

 

       1058                                                                     1059

 

      Casal                                                               Cineteatro

 

Um casal bem sucedido                                   Se o teatro é a minha esposa,

Namora vezes à toa,                                         O cinema era aventura:

P'ra a paixão não dar no olvido,                      Se aquela, fiel, se goza,

Sempre co'a mesma pessoa.                          Neste é o sonho que perdura.

 

 

       1060                                                                     1061

 

        Só                                                                    Saudade

 

Quando estou só, penso em ti                         Dor de saudade não mata,

E morde-me a tua falta.                                    É verdade verdadeira,

Presente, tanto te vi                                           Mas entre o que ata e desata

Que a mim fujo e me dou alta.                         Sempre é uma morte primeira.

 

 

       1062                                                                     1063

 

     Tantas                                                                  Ciúme

 

Tu és tantas numa só                                        O ciúme é tão bizarro

Sempre inventando o mistério                         Que me leva a correr mundo

Que das demais tenho dó,                               E no fim o que eu agarro

Todas tenho em teu império.                           Será um buraco sem fundo.

 

 

       1064                                                                     1065

 

Retardatário                                                          Mortífero

 

O ciúme é retardatário,                                     O ciúme é tão mortífero

Vem quando nos separamos,                          Que não mata só o porvir.

Tem um cheiro mortuário:                                 É que não há soporífero

Mata o amor, faz de nós amos.                       Que ponha a história a dormir.

 

 

       1066                                                                     1067

 

       Pista                                                                    Asas

 

Perco um tempo precioso                                O amor à mulher deu asas

Na pista do meu ciúme:                                    E tão alto a levantou

Passo ao lado, belicoso,                                  Que te chamuscam as brasas

Das verdades em cardume.                             Por mais que fujas ao voo.

 

 

       1068                                                                     1069

 

  Orvalhada                                                               Lobos

 

Acordas tão orvalhada                                      No inverno dos lobos,     

Nessa frescura louçã                                        A réstea de sol:

Que na tua madrugada                                     Traz-me desafogos

Da noite sai a manhã.                                       O teu arrebol.

 

 

       1070                                                                     1071

 

    Escultor                                                               Desejo

 

Sou escultor de pessoas,                                 Quando eu desejar alguém

Quero que a mulher que eu amo                     É, p'ra mim, tudo inocente;

Leve na fronte as coroas                                  Se com meu amor advém

Dos sonhos de que me inflamo.                      É uma desgraça iminente.

 

 

       1072                                                                     1073

 

    Aposta                                                                  Senhor

 

A mulher é uma pergunta,                                 Reconheces-me direitos,

A mulher é uma resposta                                  Disponho de ti, mulher,

E no fim, toda ela junta,                                     Sou o senhor de teus feitos

De tão vaga, é só uma aposta.                        Para teu escravo ser.

 

 

       1074                                                                     1075

 

     Viagem                                                            Parentesco

 

O que procuro em viagem                                Entre o desejo e a viagem

Da cidade é encantamento,                             Há um estranho parentesco:

Por isso é que a tua imagem                           Se esta é daquele uma imagem

Projecto-a no firmamento.                                É que lhe traça o arabesco.

 

 

       1076                                                                     1077

 

  Rapariga                                                                Queixa

 

Era só uma rapariga                                         Queixo-me de ti

Montando uma bicicleta,                                   E dos teus defeitos:

Mas que é que há nela que diga                     - Em ti vejo  em si

Que tem dum anjo uma aleta?                         Os meus maus trejeitos.

 

 

       1078                                                                     1079

 

    Comigo                                                               Atmosfera 

 

O teu amor me acalenta,                                  A atmosfera desta festa

Tão doce é o que em ti persigo                       É de estrelas que se abriram.

Que o prazer que me alimenta                         Que é que o ar nos desempesta?

É o prazer de estar comigo!                            - Raparigas que sorriram!

 

 

       1080                                                                     1081

 

  Impossível                                                      Espaço-Tempo

 

O amor busca um impossível,                          Em teu passo te contemplo,

Não ama o que já possui,                                 Hora a sós é imensidão,

Porque quer o inacessível                                O amor é o espaço-tempo

É que o infindo nele aflui.                                  Sensível ao coração.

 

 

       1082                                                                     1083

 

    Presente                                                           Primavera

 

Sem passado nem porvir                                 Hoje eu tenho novos lábios

Só do presente me encanto:                            E perpétua primavera,

Para o eterno me atingir                                   Meus pensamentos são sábios:

Basta, sereia, teu canto!                                   - Tu, mulher, és nova era!

 

 

       1084                                                                     1085

 

      Core                                                                    Amo-te

 

É impossível discutir                                         Confesso "amo-te" e então tu

Em dia prenhe de cores:                                  Fechas o olhar saboreando:

- Venham daí descobrir                                    - Eis-me aqui sozinho e nu,

De que se geram amores!                               Desde o sempre ao não sei quando!

 

 

       1086                                                                     1087   

 

     Relógio                                                                 Gema

 

Olho-te e vejo o meu tempo,                            Tu és a gema ignorada

És o meu espelho mágico,                               Co'o segredo das origens.

Mas ocorre um contratempo:                           Toco-te e és tudo em nada:

Velha, és meu relógio trágico.                         Vertigem, não dás vertigens.

 

 

       1088                                                                     1089

       Mundo                                                                   Atar

 

Já chegou a Primavera.                                    Se o amor nos maravilha,

Tu me dás as boas-noites,                               Mais tem de maravilhar

Mas és tu ou antes era                                      Pelo que só nele brilha:

Mundo novo onde me afoites?                         - Une-nos sem nos atar!

 

 

       1090                                                                     1091

 

      Beijos                                                               Felicidade

 

Para haver um grande amor                            A felicidade é frágil

Mil beijos serão precisos,                                E dela não há viveiros.

Mas jamais serei senhor                                  Ao passar, passa tão ágil

De seus mil e um avisos.                                  Que nos torna os pés ligeiros.

 

 

       1092                                                                     1093

 

Interessar-me                                                    Contradições

 

De que serve interessar-me                             O amor tem contradições,

Por alguém que irá morrer?                             Tantas sobre ele se acamam

Mas se do amor me desarme                          Que as pessoas com paixões

De que serve meu viver?                                  Destroem aqueles que amam.

 

 

       1094                                                                     1095

 

       Bom                                                               Destruímos

 

Tudo o que parece bom,                                  Se sempre nos destruímos

No fundo pode ser mau:                                   E destruímos os mais

O amor que é o supremo dom                         É que destruídos caímos

Usa a violência do pau.                                    Pelo amor de quanto amais.

 

 

       1096                                                                     1097

 

  Insensatez                                                             Banho

 

A nossa cultura é um mar                                 Não tomo banho contigo

Tamanho de insensatez                                    Porque preservo o mistério

Que até aprendemos a amar                           Que em ti sempre assim persigo,

Tudo quanto nos desfez.                                   Amante do teu império.

 

 

       1098                                                                     1099

 

      Magia                                                                  Beleza

 

Um amor dá sofrimento,                         A beleza é um dom raro e precioso.

Outras vezes, alegria:                            Se é minha, tece teias com que enleio.

Como é que pode um tormento            Se é doutrem, quantas vezes nem a gozo

Ter em si tanta magia?                          De louco que a saboreio!

 

 

       1100                                                                     1101

 

  Passarela                                                               Breve

 

Passeaste na passarela                                   Antes que o amor me mande

Tua beleza de fora.                                            Me teve

Ninguém te viu como és bela,                          Como tudo quanto é grande:

Quanto por dentro em ti mora.                         - Foi breve!

 

 

       1102                                                                     1103

 

 Namorados                                                              Ódio

 

Jovens namorados,                                           Ao ódio não é com ódio

(Quanto amor amigo!)                                       Que se põe cobro algum dia,

Tão novos, p'los prados:                                   Que deste ódio ao negro bródio

- São o mais antigo!                                          Só o amor sabor traria.

 

 

       1104                                                                     1105

 

     Solidão                                                                 Novo

 

É o terror da solidão                                         - Eles não gostam de nós!

Que mais nos oprime o peito;                          - Gostas tu deles acaso?

Pior, porém, é a união                                      - Por quê, se nos deixam sós?

De que só o ódio é o sujeito.                           - P'ra renovar todo o caso!

 

 

       1106                                                                     1107

 

      Acção                                                             Fazermo-nos

 

Pela acção me recupero,                                 Mesmo se acontece vermo-nos

Feliz, cheio de esperança:                               Na imagem com que nos leram,

- Minha salvação tempero                                O que importa é nós fazermo-nos

Dos outros com a aliança.                                Com o que de nós fizeram.

 

 

       1108                                                                     1109

 

   Egoístas                                                                Colher

 

Todos somos egoístas:                                    Ser homem ou ser mulher

Se nos toca a dor de alguém,                          Em amor é diferente:

Não é a que lhe turva as vistas                        Ela entra inteira a colher

Mas a que em nós doi também.                      Dele a luz evanescente.

 

 

       1110                                                                     1111

 

      Conta                                                                Silêncio

 

Em amor diz que a mulher                                Trai-o até a voz do silêncio,

Como o homem tanto monta,                           Que o segredo aos olhos luz...

Mas só ela, ao acolher,                                     - Segredo de amor, compense-o

Se se der, dá-se sem conta.                            Com quanto amor o seduz.

 

 

       1112                                                                     1113

 

       Falta                                                               Sementeira

 

Morte de amor é tão alta,                                 É terra de sementeira

Deserto tão desolado,                                      Este meu leito de amor:

Que apenas um ser te falta,                             Do sonho tem rega a leira

Fica o mundo despovoado.                             E do sol mais que o calor.

 

 

       1114                                                                     1115

 

    Batalha                                                                   Leito    

 

Leito é campo de batalha                                 Uma mulher em meu leito,

Com armadilhas de guerra.                             Não, porém, no pensamento?

Armo o leito quando calha?                             - Afinal, quando me deito

Desarmo-o se dou em terra.                            É no meu isolamento!

 

 

        1116                                                                     1117

 

     Libertou                                                             Candeia

 

Chamaste-a Maria, a azul,                               Contamos "tal mãe, tal filha",

Sente-se ela azul-Maria:                                   São candeias da beleza.

Sem que o sentido se anule,                            Mas na apagada não brilha

Libertou-se a poesia.                                        A luz da candeia acesa.

 

 

       1118                                                                     1119

 

   Enganos                                                             Sentidos

 

Em mil línguas te cantamos                              Quero ver o que tu dizes

Há milhões e milhões de anos                         Para ouvir o que tu sentes,

E jamais te deciframos,                                    Cheira-me que teus deslizes

Mulher de nossos enganos!                             Sabem a quanto me mentes.

 

 

       1120                                                                     1121

 

    Imagem                                                               Divórcio

 

Quer eu durma quer acorde,                            Divórcio e separação,

Em teu convite me ameias,                              Fala-se como quem goza.

Que mo pinta em meigo acorde                      Não vêem do coração

O olhar de minhas ideias.                                 Quanto a doença é perigosa.

 

 

       1122                                                                     1123

 

     Bordel                                                                Coração

 

Solidão dos amores de bordel!                       Há muita gente p'ra quem

Por isso é que entre si conversam tanto,       Só com ver se tem razão.

Por tanta ausência dum amor fiel,                   Só se consegue ver bem

Tantos traídos a iludir o pranto.                        Se se vê co'o coração.

 

 

       1124                                                                     1125

 

    Despida                                                               Desejo

 

Quando te vejo despida                                    Eu tenho necessidade

De possuir-te o desejo                                     Que necessitem de mim:

Todas as freimas da vida                                 Meu desejo é a veleidade

Doces converte num beijo.                               De ser desejado enfim.

 

 

       1126                                                                     1127

 

      Morte                                                                   Sabor

 

Paremos de destruir-nos,                                 Dantes nos faltava o pão,

Que outrem não destruiremos:                        Por ele era a luta a esmo;

A morte tanto tememos                                    Hoje é o sabor que terão

Quanto amar-nos e servir-nos.                         Pão mais amor a si mesmo.

 

 

       1128                                                                     1129

 

      Erros                                                                   Gosto

 

Pesar os erros de alguém                                Quando quero descobrir

É peso que não se alcança,                             Se gosto mesmo de alguém

Que a tentação que se tem                              Em viagem co'ele ao fremir

Põe o dedo na balança.                                   Vejo o sonho  que me tem.

 

       1130                                                                     1131

 

      Senso                                                                  Enleio

 

Senso é o mesmo que sentido.                       Quantas vezes meu enleio

Como o amor não há nenhum                          Vem da sequência sem par:

De sentido tão fornido                                      Eu escrevo mas não leio

Menos de senso comum.                                 O que ditas sem falar!

 

 

       1132                                                                     1133

 

     Cigarro                                                                 Acena

 

Se fuma, você se mata                                     Tantas casas, tantas ruas!

E de seu cigarro o fumo                                   Que falta de imensidão

A quem mais ama desata                                Me acena nas mulheres nuas

A matar com vil aprumo.                                   Que me acenam com a mão!

 

 

       1134                                                                     1135

 

     Mentira                                                                   Réu

 

Toda a mentira destroi                                      Em tribunal, qualquer réu

Ligações de intimidade.                                   É inocente até à saída.

Educar sempre assim foi                                 Se julgas um filho teu,

Pendurar-nos da verdade.                                Por que o culpas à partida?

 

 

       1136                                                                     1137

 

       Crer                                                                     Mente

 

Tão importante é saber                                    Quando uma criança mente

Onde teu filho se encontra                                É muitas vezes dum lar

Como nele poder crer,                                      Que semeou a semente

Em quanto ele expõe na montra.                     De mentir, de a enganar.

 

 

       1138                                                                     1139

 

     Importa                                                                 Íntimo

 

Primeiro, que os pais decidam                       Se o jornal íntimo escrevo,

Que é que lhes urge saber.                              Vem-me o gosto da aventura;

Só então os filhos convidam                            Se de mim sair prescrevo,

O que importa a oferecer.                                A introspecção me procura.

 

 

       1140                                                                     1141

 

        Nó                                                                     Pessoa

 

A consciência ocidental                                   Devir pessoa é manter

É tanto um nó bem atado                                 Relações e bem activas,

Que se lhe aumento o sinal                              Que os outros têm meu ser

Menos fico aprisionado.                                   Com asas, sem mim, passivas.