SEGUNDA REDONDILHA

 

 

A ESPERA RECRESCE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Escolha aleatoriamente um número entre 162 e 341 inclusive.

 

Descubra o poema correspondente como uma mensagem particular para o seu dia de hoje.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

162 - A espera recresce

 

A espera recresce

Nos botões que brotam

E jamais se esgotam:

É o sonho e acontece!

 

 

163 - Consciência                                                                                                     169 - Raciocínio

 

A consciência é uma presença,                                                                              De raciocínio chamamos

Não dos freios que me domem,                                                                              Muito a estes argumentos

Mas do passo além que eu vença:                                                                        Em que nossos pensamentos

É já Deus presente ao homem.                                                                               Pensem como já pensamos.

 

 

164 - Estrada                                                                                                             170 - Artista

 

Bem longa estrada da vida                                                                                     Todo o artista começou

É a desta estranha ciência                                                                                      Por nem sequer se supor

Que de longe nos convida                                                                                     Neste acto em que se gerou:

Da pendência à independência.                                                                            - O ser um admirador!

 

 

165 - Sonho                                                                                                              171 - Engano

 

Sonha e faz acontecer                                                                                            Um engano é só um engano.

O porvir que nos convém.                                                                                     O erro nele só perfilo

Tudo começa por ser                                                                                              Se o encobrir com o pano

Ao ser o sonho de alguém.                                                                                   De recusar corrigi-lo.

 

 

166 - Injustiça                                                                                                          172 - Responsabilidade

 

Cometer uma injustiça                                                                                            Temos medo de assumir

Só desonra uma parcela:                                                                                        A responsabilidade,

A de quem nela se enliça,                                                                                      Mas, sem ela, descobrir

Não a vítima ao sofrê-la.                                                                                        Não logramos nossa idade.

 

 

167 - Vidas                                                                                                               173 - Duas palavras

 

A vida são muitas vidas,                                                                                       São duas palavras,

São mil oportunidades,                                                                                          De três letras são,

Todas as mil já perdidas                                                                                        Com elas te lavras:

Em ilusões e vaidades.                                                                                           São o sim e o não.

 

 

168 - A matar                                                                                                           174 - Dia

 

Sensatez não é lugar                                                                                              Quando é que termino um dia

Único de alguém vencer:                                                                                       Satisfeito e não me iludo,

Um louco que entre a matar                                                                                  Donde vem a mais-valia?

Às vezes logra o que quer!                                                                                   - Dum sonho que incarne em tudo!

 

 

 

175 - Imagem mental

 

Vivemos tanto do sonho

Que a minha imagem mental

Me redobra quanto ponho

Em quanto aponho sinal.

 

 

176 - Fingir

 

A vida é a fingir,

Não é realidade:

Arte de mentir

A falar verdade!

 

 

177 - Nó

 

A vida dá muito nó,

Prova mil marcas de vinho:

Eu sou pobre como Job

Mas voo, tal passarinho.

 

 

178 - Vidas

 

Há tantas vidas na vida

Que a vida jamais viveram!

A vida, se é bem vivida,

Vive as mortes que a morreram.

 

 

179 - Orgulho

 

O orgulho nem sempre é perda

Por muitas perdas que o tomem,

Porque orgulho sem soberba

Não humilha, eleva o homem.

 

 

180 - Igreja

 

Toda a igreja é uma heresia,

Que o Deus que sempre procuro

Se esconde algures na via,

Obscuro, a meio do escuro.

 

 

181 - Beleza

                                           

A beleza está nas coisas

Ou em vê-las com amor?

Mora no que nelas poisas:

É nas tintas do pintor.

 

 

182 - Alma

 

Aos homens de maior alma

Numa coisa os não alcanças:

São, ao levarem-te a palma,

Mais crianças que as crianças.

 

 

183 - Pátria

 

Minha pátria é aqui ou lá,

Qual é o critério ou razão?

- A pátria sempre estará

Onde está meu coração!

 

 

184 - Raça

 

O lado dos caçadores

É o dos homens e o das feras,

Que ser homem são as dores

De ser caça nas esperas.

 

 

185 - Morte

 

O que a morte tem de bom

É enterrar no esquecimento

A vergonha que dá o tom

Com que a vida me atormento.

 

 

186 - Avatar

 

A vida pode ser vista

Como um eterno avatar:

E que, entretanto, eu exista,

Sou o eterno a caminhar.

 

 

187 - Álibi

 

Procuramos o alibi

Para sermos o que somos

E já nem somos aqui,

Uma vez que jamais fomos.

 

 

188 - Vitórias

 

Há vitórias que enobrecem

Mesmo até a parte vencida:

- As cujos louros se tecem

Com os dois lados da vida.

 

 

189 - Força

 

Há quem queira mostrar força

E afinal mostra fraqueza,

Que a força, quando alguém força,

Força como alguém que reza.

 

 

190 - Mundo novo

 

Construir um mundo novo

Não é só esquecer o antigo:

Só no espírito é que inovo

Co'os valores a que me obrigo.

 

 

191 - Aqui

 

Embora nascido aqui,

Daqui vivo expatriado,

Não porque daqui parti,

- Porque no mundo fui nado.

 

 

192 - Oportunidade

 

Terra da oportunidade,

Em que te mudou a luta?

É que, em vez de liberdade,

És só campo de labuta...

 

 

193 - Alma

 

Credos não erguem do chão,

A ideologia me espalma:

- A ânsia de superação

Tem de vir do fundo da alma.

 

 

194 - Lama

 

Amamos tudo o que é belo

Mas deitamo-nos na cama,

Tanto nos aterra o apelo

P'ra nos erguermos da lama!

 

 

195 - Fluxo

 

Lutamos de olhos fechados

P'ra não perder nosso luxo,

Perdendo o maior dos dados:

A vida é um perene fluxo.

 

 

196 - Sina

 

Temos marcada uma sina

Nu fundo do coração:

- Sempre em perca se termina

Lutar contra a evolução.

 

 

197 - Pouco

 

O poeta é amaldiçoado,

O pensador é um louco,

Um artista, um exilado...

- Ser homem, como ainda é pouco!

 

 

198 - Sábios

 

Como me estragam a lida

Quando procuro em seus lábios

Os oráculos da vida!

- Que ignorantes são os sábios!

 

 

199 - Liberdade

 

Nem dinheiro nem poder,

Segurança, autoridade

Podem por si nos prover

Nem dum grão de liberdade.

 

 

200 - Unem

 

Comunhão co'a natureza

E parco nível de vida

Só se unem em quem despreza

O que, longe, nos convida.

 

 

201 - Medonho

 

Medonho, mesmo medonho

É que reais muito mais

Que homem e mulher reais

São as criaturas do sonho.

 

 

202 - Tempo

 

Àqueles cujos pêlos mais se eriçam

Porque jogamos nós o tempo aos dados:

- Aqueles que mais tempo desperdiçam

São aqueles que estão mais ocupados.

 

 

203 - Aborto

 

A pátria faz-se

Ou é um aborto:

- A arte não nasce

Dum povo morto!

 

 

204 - Salva

 

Afinal, que é que nos salva?

Serão os actos de amor

Ou da ideia a atroz ressalva:

Pensar igual é o melhor?

 

 

205 - Interesse

 

Como desperta o interesse?

- Ou do ódio sob o império,

Ou, se o motor não é esse,

Bob o aguilhão do mistério.

 

 

206 - Funâmbulo

 

Nesta vida quem me ampara,

Quem me livra do ludíbrio?

Sou funâmbulo sem vara,

Nunca encontro o equilíbrio.

 

 

207 - Endireitar

 

Como na vida prover

P'ra endireitar membros tortos?

- Para uma árvore crescer

Podam-se-lhe os ramos mortos.

 

 

208 - Fado

 

Não é nunca impunemente

Que vou pôr rédeas ao fado,

Crime é andar pelo presente

Vendo apenas o passado.

 

 

209 - Acordando

 

Sonho que a vida acontece,

Sonho após que estou sonhando

E a vida não me arrefece,

Acontece ir acordando.

 

 

210 - Jogos

 

Decaem com o tempo as religiões,

Em vez da salvação dão-nos o olvido,

A fé e as crenças são vãs ilusões

Em jogos de palavras sem sentido.

 

 

211 - À porta

 

Conserva lá Marx ou Cristo,

Isso a mim pouco me importa.

O erro consiste nisto:

- E os que batem hoje à porta?

 

 

212 - Sonhos

 

Como os sonhos se realizam,

Os sonhos são de verdade,

Não só pelo que idealizam,

- Porque são a realidade.

 

 

213 - Realidade

 

À realidade a defende

Não a lei nem o canhão,

Mas o que irrompe e propende

A emergir, fundo, do chão.

 

 

214 - Guerrilheiro

 

Todo o artista é um guerrilheiro

De mão nua desarmada:

Uma ideia o veste inteiro

E nada vale mais nada!

 

 

215 - Buracos

 

Nossa música é feita de buracos,

Saltitamos de nota em nota ao frio.

Beirando os intervalos, eu ataco-os,

Mas o espaço interior já está vazio.

 

 

216 - Singrar

 

Singrar rumo ao mar ignoto

Para que os sonhos o domem,

Pintar quanto dele anoto

- Planta o sonho dentro do homem!

 

 

217 - Leão

 

Um leão enjaulado

Faz da raça humana

O perverso fado

Donde o mal emana.

 

 

218 - Escravo

 

Como dizer que não a uma criança?

Como ferir-me e não ficar exangue?

O que o sim me inaugura é o que me alcança:

- Sou escravo de minha carne e sangue!

 

 

219 - Antes

 

Descobertas e invenções

Avançam ou recuaram?

Não tocando os corações,

Antes desumanizaram.

 

 

220 - Castiga

 

A obrigação nos obriga,

Não é preciso ter amos:

É que Deus não nos castiga,

nós próprios nos castigamos.

 

 

221 - Ligar

 

Quando nasce um grande artista

Vem-nos ao mundo ligar,

Ao mundo que a nossa vista

Parece ir repudiar.

 

 

222 - Causas

 

As causas das coisas

São as coisas todas:

- Quando numa poisas

As mais formam rodas.

 

 

223 - Educar

 

Que educação todos querem

É a magia de educar,

Mais que, quanto ali nos derem,

Com quem o deu vai ficar.

 

 

224 - Fonte

 

Sempre se mata o presente

Do passado no horizonte,

Por não beber da nascente,

De inebriado na fonte.

 

 

225 - Primeiro

 

Primeiro bebe na fonte:

Ausculta, calmo, a sapiência.

Depois conquista o horizonte:

Deita mão a toda a ciência.

 

 

226 - Espelho

           

Afinal, o imaginário

É um espelho deformante

Ou, de destro, é o que, diário

Me põe canhestro diante?

 

 

227 - Mística

 

Da razão o mais profundo

É a mística ter razão

E a razão, ao invés, não,

Quando na razão me afundo.

 

 

228 - Paisana

 

Discreto por entre os factos

A todos nós nos engana:

- Nossos actos não são actos,

Deus anda ali à paisana!

 

 

229 - Sábio

 

O que ao cientista fascina

É um campo a que se reduz.

Sábio, não: não discrimina,

Junta os farrapos da luz!

 

 

230 - Medidas

 

Medindo, a ciência sabe

E encaixa nas nossas vidas.

A sapiência jamais cabe,

Foge a todas as medidas.

 

 

231 - Segredo

 

O problema é que há um segredo.

Senão, para quê viver

Se tudo for mero credo

No que só parece ser?

 

 

232 - Descrença

 

A força que há nos ateus

Por vezes não há que a vença:

Há formas de encontrar Deus

Sem pôr em causa a descrença.

 

 

233 - História

 

História, enigma sangrento,

Quanto há nela de insensato!

...A não ser que seja o invento

Em que um sonho devém acto!

 

 

234 - Erro

 

O erro não é de temer,

Trata-o com urbanidade,

É que um erro pode ser

Um tradutor da verdade.

 

 

235 - Exílio

 

Mais a dúvida se adensa,

Mais a jornada persiste

Neste exílio sem sentença

Num lugar que não existe.

 

 

236 - Coragem

 

A realidade é perdida,

Não a encontro, é uma miragem:

No inventá-la lhe dou vida

E o medo obriga à coragem.

 

 

237 - Coração

 

Injecção não é conduto

Que alimente o que finou:

- Um homem novo é o produto

Dum coração que mudou.

 

 

238 - Arte

 

Um artista verdadeiro

Sofre a morte dia a dia:

Arte é o que busca primeiro,

Mas arte não é, seria...

 

 

239 - Calem

 

Um homem que adormece

Faz que as coisas se calem.

Que importa o que acontece?

Os factos nada valem!

 

 

240 - Homem

 

Enquanto o mundo nos fala

Da miséria que nos cobre,

O Homem retira-se e cala,

Medita um pouco e descobre.

 

 

241 - Antanho

 

Minha experiência de antanho

Conduz-me a este momento,

Governa-o com tal tamanho

que me pensa o pensamento.

 

 

242 - Assalto

 

A marca de quanto é vida

É efusão, transbordamento:

Toda a fronteira invalida

O meu assalto ao momento.

 

 

243 - Sinais

 

A vida pode ser mais,

Muito mais mortal que a morte

E a morte dar-nos sinais

Que abram quanto à vida exorte.

 

 

244 - Perdida

 

É uma alma perdida

Dum mundo sem alma

Quem trocou a vida

Dos livros p'la calma.

 

 

245 - Elidido

 

Desprezado pelo mundo,

É o Homem incompreendido

E o que acontece, no fundo,

É que o mundo é que é elidido.

 

 

246 - Colapso

 

Entre as ruínas dum mundo em colapso

Sobrevivemos e aqui se perfila

Nosso programa durante este lapso:

Apodrecer p'ra criar nova argila.

 

 

247 - Tempo

 

É o tempo aquela palavra

Incapaz de definir:

O passado o porvir lavra

Num presente a se esvair.

 

 

248 - Desilusão

 

A fraternidade

É desilusão:

Poeta sem idade

Só no céu tem chão!

 

 

249 - Raízes

 

A fome da humanidade

É uma fome de raízes:

Fartou-se da identidade,

Busca-se em novos matizes.

 

 

250 - Desconforto

 

Ser artista é ser da vida

No desconforto do mundo,

Co'a fraternidade assumida

Mergulhando em mar sem fundo.

 

 

251 - Encaminha

 

É quando alguém me encaminha

Que a vida se me invalida;

E ao viver a vida minha

Aos outros vou dar a vida.

 

 

252 - Sistema

 

Não confio nos que explicam

A vida por um sistema,

Que os sistemas que se aplicam

Só no sangue encontram lema.

 

 

253 - Lavram

 

Eu nunca tenho razão,

Tu tens a razão inteira,

Só que por mim é que vão

Quantos lavram nossa leira.

 

 

254 - Trair

 

É porque te sou fiel

Que não tenho quem me amestre:

- Do discípulo o papel

É sempre trair o mestre!

 

 

255 - Milagre

 

Como é inútil a teoria!

Para dentro volvo o olhar:

- Basta a mim me promulgar

E o milagre acontecia!

 

 

256 - Eis

 

Vivo partido aos bocados,

Em cacos de nulidade?

- Recombinemos os dados:

Eis a personalidade!

 

 

257 - Anulo

 

Cruzo comigo em viagem

E anulo os trajectos meus:

Ando a agir como um selvagem

Ao tentar ser mais que um deus!

 

 

258 - Forja

 

Num homem vive um sol morto

Ou uma forja com tal chama

Que nunca atinge bom porto,

Tanto p'los céus se derrama!

 

 

259 - Devorados

 

Ser homem é não ter amos

Nem sê-lo em nenhum dos lados:

Nós, enquanto devoramos,

Somos sempre devorados!

 

 

260 - Acerco

 

Se romper um dia o cerco

Que nos cerca neste espaço,

Acerca do que me acerco

Arte serei, já a não faço.

 

 

261 - Ismo

 

Um ismo em qualquer modelo

É mau sinal, é impotência:

Deus a mais anula o anelo,

A fé mata a incandescência.

 

 

262 - Consórcio

 

Desastroso é haver divórcio

Da cabeça ao coração:

Fundamental é o consórcio

Do sonho que leva à acção.

 

 

263 - Margem

 

Tudo quanto é valioso

É-o à margem da razão,

Que o homem só deu a mão

À fé no maravilhoso.

 

 

264 - Nível

 

Conhecer torna, no fim,

Tudo tão incompreensível!

Compreender é que é, por mim,

O amor acima do nível.

 

 

265 - Fermento

 

Um homem num movimento

É um impotente sozinho.

Se é criador, é fermento

Que fermenta a sós o vinho.

 

 

266 - Potencial

 

Autêntico é o potencial

De meu ser que não alcanço:

Homem de ontem hoje real,

Sem amanhã não descanso.

 

 

267 - Lugar

                           

Nosso viver é lutar,

Mas lutar não é ideal,

Realiza-nos num lugar:

O ser em potencial.

 

 

268 - Paralisa

 

Neurótico é aquele ser

Que paralisa o terror;

E a cultura tem poder

Neste poder frustrador.

 

 

269 - Totem

 

O mal da cultura arquivo,

Carne viva em previdência:

Neurótico é totem vivo,

Vítima para advertência!

 

 

270 - Decorre

 

Agora tudo decorre

Daquele que nunca vence,

Do ignoto e só que assim morre:

- O futuro lhe pertence!

 

 

271 - Viver

 

Empreender uma viagem

É apenas uma ilusão:

Viver é já uma mensagem

Do que os confins nos trarão.

 

 

272 - Rede

           

O sonho nos ultrapassa,

Ata a teia dos cadilhos:

Todo o Universo não passa

Duma só rede de trilhos.

 

 

273 - Romagem

 

Toda a consciência humana

É sagração da romagem:

Dela à vida o que dimana

É o sentido da viagem.

 

 

274 - Porquê

 

De obras de eco mundial

O porquê foge à evidência,

Toda a fama universal

Vem da crença, não da ciência.

 

 

275 - Falam

 

Na morte os génios se calam.

Do inescrutável espéculos,

Seus gestos falam que falam

Pelos séculos dos séculos.

 

 

276 - Saber

 

É por sobre os cemitérios

Ignotos ao vão descante

Que construímos impérios

De saber fertilizante.

 

 

277 - Santuário

 

Dum romancista sabemos,

Como do autor dum diário,

Que ignoramos o que lemos:

Ninguém entra no santuário.

 

 

278 - Obsessão

 

Arte é sempre uma ilusão,

Sagra aquilo a que não reza,

Que de artista a obsessão

Outra coisa é que a beleza.

 

 

279 - Danação

 

Não é que não tenha tecto,

Sofro a danação eterna:

- Luz em brasa do intelecto

Encerrado na caverna!

 

 

280 - Duas

 

Vivo uma vida no infinito à solta,

Outra na terra presa aos seus reveses,

Sou duas rectas dum encontro à volta:

Ao viver, vivo sempre duas vezes.

 

 

281 - Frui

 

Do diabo que nos possui

Temos de nos libertar:

Só livre qualquer um frui

A vida de seu lugar.

 

 

282 - Divisa

 

Uma pessoa precisa,

Primeiro, de se perder;

Depois o mundo divisa

Da liberdade de ser.

 

 

283 - Esvair

 

Somos todos visionários

Do passado e do porvir:

Perdemos os relicários

Do presente a se esvair.

 

 

284 - Fundo

 

Para conquistar a terra,

Antes renuncia ao mundo,

Que ao mundo não dobra a guerra

Mas quem for até ao fundo.

 

 

285 - Estranho

 

Subitamente me encontro

De mim neste corpo estranho

Caminhando ao meu encontro

E não sei onde me apanho.

 

 

286 - Quadro

 

Quando eu olho para um quadro,

Se ele não olha p'ra mim,

Com esse quadro eu não quadro,

Que a descobrir-me é que vim.

 

 

287 - Longe

 

Significado que parte

P'ra mais longe que o nadir

Apenas um tema em arte

É o meio de o transmitir.

 

 

288 - Invasão

 

Resistimos à invasão

De exércitos que andem perto.

Porém, a uma ideia, não,

Se surge em momento certo.

 

 

289 - Criança

 

Ser homem é ser da idade

Sem idade da criança,

A verdade da verdade

Buscar onde não se alcança.

 

 

290 - Fáceis

 

Na vida há momentos gráceis

E um preço dos maus prò olvido:

- Se tudo são coisas fáceis

Algo não foi compreendido.

 

 

291 - Pedaço

 

Procura no teu lugar

O sabor de quanto é teu:

Cada qual pode criar

O seu pedaço de céu.

 

 

292 - Saber

 

O mais duro é ficar na escuridão,

Preferimos saber, mesmo demais,

De tal modo nos queima a vã questão,

Mesmo que isto nos leve a sofrer mais.

 

 

293 - Finalidade

 

A nossa finalidade

Será mesmo, com certeza,

Num cheque uma enormidade?

-... Ou um instante de beleza?

 

 

294 - Transluz

 

Silêncio, procurar luz

Rumo ao que nos ultrapassa...

- Fugaz, o eterno transluz

E a felicidade grassa.

 

 

295 - Natal

 

O Natal não é num dia:

Viagem aos confins das eras,

É a saudade do que esperas

No termo da nostalgia.

 

 

296 - Marxismo

 

É a ciência um determinismo

E livre é a felicidade.

Errado, toma o marxismo

A prisão por liberdade.

 

 

297 - Não

 

Eu não quero um monumento,

Pois busco p'ra além da História.

A História é um vago momento

Curto cavalgando a glória.

 

 

298 - Pensar

 

Pensar por si custa caro?

- Liberdade de pensar,

Pague o preço que pagar,

É tão barato quão raro.

 

 

299 - Absurdo

 

O nosso mundo é um absurdo,

Nunca pode dar certeza,

Se o ouço é quando estou surdo,

Feio o vejo e é uma beleza.

 

 

300 - Fanatismo

 

Quando o fanatismo impera

É pior que a solidão,

A inquisição nos onera,

Toco o medo com a mão.

 

 

301 - Ser

 

Quanto sou de quem, ao pé,

De mim talha o parecer!

Cada qual é aquilo que é

Mais o que é sem nunca o ser.

 

 

302 - Sorte

 

"Já que não és comunista,

Incréu te condeno à morte?"

- Mais tragédia é o que resista

Condenar-te à mesma sorte.

 

 

303 - Ausências

 

É preciso acreditar

Mesmo contra as evidências

Que este não é meu lugar:

Este é meu lugar de ausências.

 

 

304 - Funerais

 

O tempo faz-nos sinais,

Que importam ouvidos moucos?

Hoje e sempre os funerais

Fazem-nos morrer aos poucos.

 

 

305 - Falha

 

P'ra quem não esquece a falha,

Falhar jamais é perder;

Usa-a bem para que valha:

Saber falhar é vencer!

 

 

306 - Além

                                                                                                           

Se alguém pergunta onde vou,

Sendo homem como convém,

Ignoro onde alço meu voo,

Só sei que vou mais além.

 

 

307 - Merece

 

Aquilo que alguma vez

Merece ser começado,

Definitivo é que fez

Jus a ser bem acabado.

 

 

308 - Hoje

 

O futuro foge adiante

E o passado atrás nos foge.

Nada, pois, mais importante

Que, p'ra nós, o dia de hoje.

 

 

309 - Beleza

 

A beleza está no olhar

E não nas coisas olhadas,

A beleza é um destes nadas

Que é tudo em nenhum lugar.

 

 

310 - Factos

 

Os factos não fazem prova,

Pois vão nas direcções todas.

É só a vida o que os aprova

Quando os reune em nossas bodas.

 

 

311 - Coragem

 

A coragem não resiste

Se ao fatal a contrapões:

A coragem só existe

Quando persistem opções.

 

 

312 - Entusiasmo

 

A vida dá-nos conselhos

Se auscultamos o marasmo:

Sabemos que estamos velhos

Quando morre o entusiasmo.

 

 

313 - Possível

 

Uma coisa que é possível

Duma impossível difere,

Não no que dela é visível,

No que de mim ela aufere.

 

 

314 - Chega

 

Medem-me tamanho e altura

E o que algum gene me lega.

Não reparam na impostura:

- Só conta aonde se chega!

 

 

315 - Pressa

 

Porque queremos demais,

Pressa demais acarreta,

Mais que incompletos sinais,

A Humanidade incompleta.

 

 

316 - Fanático

 

Do fanático o lugar

É a doença ao trono erguida:

- Paixão de outrem governar,

De lhe controlar a vida.

 

 

317 - Voz

 

"É da vontade de Deus"

- Murmura, firme, o fanático

E, nesta crença dogmático,

Seu capricho é a voz dos céus.

 

 

318 - Sacrifício

 

Problema é a vantagem ser pequena:

Então por quê se sacrificar?

Quando o sacrifício vale a pena

Não há o direito de se queixar.

 

 

319 - Ver

 

Arte não é ser pioneiro,

Nem artista é quem se afoite:

- Um artista verdadeiro

É o que logra ver de noite!

 

 

320 - Medo

 

Da escuridão os segredos

Metem medo a quem o olvida?

- Melhor é ter destes medos

Do que ter medo da vida!

 

 

321 - Liberdade

 

A liberdade é memória

Para além do acaso vário:

- Liberdade é uma vitória,

Vitória sobre o arbitrário.

 

 

322 - Condenação

 

Tarde descubro a evidência

Da estranha condenação:

- O que me eleva à excelência

Afunda-me em solidão!

 

 

323 - Aguilhão

 

Há um aguilhão que me activa

Sempre aqui, discreto e mudo:

- Uma grande expectativa

É minha chave p'ra tudo!

 

 

324 - Aprender

 

Que importa aprender de cor

Se não se aprender à justa?

- Sempre se aprende melhor

Se se aprende à própria custa.

 

 

325 - Uso

 

Não será sempre que um uso,

Gasta a fortuna, ao fim herde:

Uso a mente, não recuso,

Que a que não se usa se perde.

 

 

326 - É

 

O que profundamente é

Um homem em cada hora

Jamais é o que é agora,

É o que amanhã põe de pé.

 

 

327 - Guia

 

Se a filosofia

Os não guia, então

Terão outro guia:

- Guia é o charlatão!

 

 

328 - Acções

 

Mesmo se à fala não falto

Falar tem precaridade:

As acções falam mais alto,

Contam-nos sempre a verdade.

 

 

329 - Gestão

 

Não atires mais calhaus,

Que a razão fica onde está:

É que os homens não são maus,

Nossa gestão é que é má.

 

 

330 - Opiniões

 

Se de opiniões te enfeitas,

Vais ser corrido a pedradas:

- As opiniões são feitas

Para serem refutadas!

 

 

331 - Inteira

 

Não se instrui só uma pessoa,

Tem de se educar inteira,

Ninguém rega um ramo à toa

Sem ligar nada à fruteira.

 

 

332 - Aparências

 

Eu prefiro as evidências

Porque o mais de nada presta:

Quem quer salvar aparências,

Salva-as porque é o que lhe resta.

 

 

333 - Obra-prima

 

Uma obra-prima sem nome

Tem sempre algo de fecundo:

Ela também mata a fome,

Vale toda a dor do mundo!

 

 

334 - Futuro

 

É nas horas do presente

Que o futuro se prepara

Como o fruto da semente

Na flor já se nos depara.

 

 

335 - Sina

 

Poderei mudar de vida,

De casa p'ra qualquer lado,

Que não fujo à sina erguida:

Como mudar de passado?

 

 

336 - Lutar

 

Viver sempre foi lutar,

Morrer é lutar ainda.

Para a vida ainda agarrar?

P'ra arrancá-la quando finda?

 

 

337 - Idade

 

Ser velho não é desfeita

Nem os anos, um algoz:

A idade afinal é feita

De quanto passa por nós.

 

 

338 - Margem

 

Na margem aqui vivemos,

Que a de além jamais se alcança,

Mas sempre a bandeira erguemos

Desta margem de esperança.

 

 

339 - Satisfeitos

 

Os desejos satisfeitos

Só nos dão melancolia:

Que é feito dos grandes feitos

Com que sonhámos um dia?

 

 

340 - Vida

 

A vida é o dado fatal

Com que nós contamos mais,

Que se impõe a cada qual,

Ninguém a devolve aos pais.

 

 

341 - Porta

 

Aqui estamos frente à porta

Fechada que dá prà Vida...

Esta porta que é que importa

Se diz  "entrada proibida"?